27 dezembro 2012

Monsenhor Feytor Pinto com o Menino Jesus

DO EVANGELHO segundo SÃO LUCAS :...e donde me é dado que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor ?... É esta a pergunta de Isabel, mal vê entrar.lhe pela casa, vinda de longe, a sua jovem prima grávida do filho de DEUS, não podendo conter exclamações de uma surpresa feliz, a juntar ao enlevo do seu surpreendente  estado de mulher grávida fora de qualquer expectativa anterior.
Isto parece talvez ridículo, mas ontem, pelo fim da tarde, ocorreu.me esta reacção de Isabel quando vou abrir a minha porta e a visita que batera era nem mais nem menos que Monsenhor Feytor Pinto que, como prior da minha paróquia , vinha em pessoa trazer.me a natalícia visita do MENINO JESUS... DONDE ME É DADO QUE... ... saltam- me estas palavras de Isabel aos lábios e náo puderam deixar de saltar-me lágrimas dos olhos. De que seriam feitas estas lágrimas, todas as que ainda correram mesmo depois da saída do MENINO ?  Não eram só água e cloreto de sódio, como as de que fala Gedeão... Alegria, sim, muita. Num meu livro de há anos, terminei um dos poemas com a pergunta "foi Deus que pensou em mim ?" Presunção, agradecimento, vergonha... Sim, sim, muita vergonha, porque sei de ciência segura que não mereço... Diz Isabel feliz daquela que acreditou...Mas eu ? Só eu sei, quanto me ponho em causa ! !  !
Mas não há dúvida  de que este ficou sendo para mim um dos meus MAIORES dias.Abençôe o Senhor Deus os "mensageiros da paz" que quiz mandar-me ...

25 dezembro 2012

DIA DE NATAL

É  O BRAÇO DO ABETO  A  BATER  NA  VIDRAÇA?
É O PONTEIRO PEQUENO A CAMINHO DA  META !
CALA-TE, VENTO VELHO ! É  O  NATAL  QUE PASSA,
A TRAZER-ME DA ÁGUA A INFÂNCIA RESSURRECTA.

DA CASA ONDE NASCI VIA-SE PERTO O RIO.
TÃO NOVOS OS MEUS PAIS, TÃO NOVOS NO PASSADO !
E O MENINO NASCIA  A  BORDO DE UM NAVIO
QUE FICAVA NO CAIS,À NOITE, ILUMINADO...

Ó NOITE DE NATAL, QUE TRAVO A MARESIA!
DEPOIS,FUI NÃO SEI QUEM QUE SE PERDEU NA TERRA
E QUANTO MAIS NA TERRA  A  TERRA  ME ENVOLVIA
MAIS DA TERRA FAZIA O NORTE  DE QUEM  ERRA.


VEM TU, POESIA, VEM AGORA CONDUZIR-ME
À BEIRA  DESSE CAIS  ONDE JESUS NASCIA...
SEREI DOS QUE AFINAL, ERRANDO EM TERRA FIRME,
PRECISAM  DE JESUS, DE MAR...OU DE  POESIA ?


AUTOR  DAVID  MOURÃO  FERREIRA´   

23 dezembro 2012

4ª DOMINGO DE ADVENTO

HÁ TRÊS DIAS SEGUIDOS EM QUE MANHÃS,MANHÃSINHAS, ENVOLVEM O MEU BOM DIA À "MINHA" ÁRVORE NUM MANTO TRANSLÚCIDO E AROMÁTCO ESTIMULANDO.A A DEIXAR ESCORRER GOTAS DE HUMIDADE MUITO FRIA QUE VAI POLVILHANDO TUDO PARECENDO PÉROLAS QUE SE DESFAZEM AO CALOR DA MINHA MÃO... É A BELEZA DO NEVOEIRO MUITO MAIS DENSO NOS LONGES QUE. POR CONTRASTE,TORNA A MINHA ÁRVORE MAIS REAL... ASSIM CHEG UEI HOJE AO TERMO DESTE MEU TEMPO DE REZAR  ESPERANÇA MUITO MAIS DO QUE NOUTRAS  OCASIÕES. FINDO O PERÍODO DE ESPERA, ACOLHER.SE.ÃO AS MINHAS MADRUGADAS NA DELICIOSA SUGESTÃO DE QUE HÁ MESMO UM CERTO LUGAR ONDE ALGO ENCONTRAREMOS, SE ESTES DELICIOSOS NEVOEIROS CONTINUAREM A AFAGAR AS MINHAS RECEOSAS MANHÃS DE CADA DIA SEM ELES...A PARTIR DE AGORA É MESMO PRECISO DESCER Á REALIDADE QUE NOS ASSUSTA MAS POSSO DIZER QUE TIVE UM BOM QUINHÃO DE SONHO PARA GARANTIA DE RENOVADAS FORÇAS, 0U ANTES, DE RENOVADA ...

18 dezembro 2012

O ESSENCIAL É...blog

De tantas sobrinhas que tenho, sobrinhas-netas e também já bisnetas, por razões complicadas e longas de explicar, há uma com quem a relação familiar, social,intelectual, se estratificou mais facilmente, mais forte e permanente, e há muitas pessoas que até pensam que eu só tenho uma sobrinha,visto que é dela que falo quando se  fala de sobrinhos. Por acaso até foi uma das razões que me levou a "fugir" do face-book foi o susto que tive ao ver aparecer  subitamente todos os sobrinhos e sobrinhas que me vieram do lado do irmão do meu marido,com as mulheres e os maridos e alguns filhos deles, todos juntos a quererem falar comigo,  não estando eu habituada a estar com todos senão de uma maneira "faseada"...Sei que gostam de mim porque mo têm vindo dizer de várias maneiras e esta foi uma delas, mas a minha intimidade é com a Vera, seu marido e suas meninas.Temos muitas coisas em comum além do apelido e isso cria laços diferenciados.
Pois hoje apareceu-me com o seu grau de mestrado,para o qual  tanto trabalhou. Fez uma boa argumentação, os arguentes gostaram e ei-la pronta para ser MESTRE na sua especialidade de desenhista científica e também ilustradora. Fiquei feliz. Os seus trabalhos são lindos,duma delicadeza que parecem imateriais,sendo minuciosamente cheios de pormenores. Tomei isto hoje como uma prenda de Natal...







16 dezembro 2012

3º DOMINGO DO ADVENTO

É  hoje aquele domingo em que os senhores padres dizem missa vestidos com paramentos  cor-de-rosa.Creio que só por si esta cor vem lembrar-nos que se trata daquele dia litúrgico que recebeu o nome de GAUDETE , imperativo que pretende levar-nos a uma radiante alegria porque...porque, clama o profeta SOFONIAS e re- clama São PAULO ao escrever aos Filipenses, está para breve a chegada do SALVADOR, mais para breve cada dia que passa... E acreditar no SALVADOR,quando já se tinha passado por todas as razões para desmoronar-se, tanto material, como espiritual, como moralmente, é bem motivo para alegrar-se, rejubilar...vestir cores de confiança,de esperança... Se não fosse a Fé que temos, dom magnífico que recebemos sem pedir, como arranjaríamos jeito e modo de dizer hoje , com Sofonias, gaudete, no coração deste MUNDO on de se matam crianças com a crueldade das feras, onde os fantásticos meios de progresso que criámos nos trazem para dentro d o cantinho onde até rezamos, mães com filhos pela mão a remexer nos lixos noturnos da cidade para encontrarem ou um trapo que os cubra do frio ou uma côdea de pão meio roído que lhes engane a fome ?QUEREMOS,queremos desesperadamente poder milagrosamente dizer GAUDETE a todos,não apenas aos amigos, não apenas à paróquia, não apenas ao nosso mundo, enquanto vamos percorrendo este advento que vai levando tudo em seu caudal...
Será NATAL , isso temo-lo por certo. E também acredito que não seremos abandonados ! ! !

09 dezembro 2012

2ºDOMINGO DO ADVENTO

Se  Baruc explodia em clamores estimulantes para a sua terra de que estivera privado, então JOÃO  BAPTISTA gritava no deserto, a plenos pulmões, para que"endireitassem" veredas e montes e vales,podassem arvoredos, limpassem ramadas espúrias, preparassem enfim um caminho não tortuoso para poder ser pisado por aqueles amados pés do Filho de Deus a caminhar para a tarefa a que viria votado e que era nem mais nem menos do que a salvação da humanidade.Diz.nos o Salmo que o Senhor fez maravilhas em favor do seu povo...Tantas, tantas maravilhas... E  O "seu povo", fiquei eu a meditar hoje, que nem sequer fez, como se poderia esperar, a limpeza das veredas e o aparo dos ramos espúrios...! ! !

08 dezembro 2012

DIA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

---DE UMA DAS HOMILÍAS DAS MISSAS DE HOJE:
             
         ---O  SIM  DE   MARIA  NO  DIA  QUE  HOJE CELEBRAMOS   FOI  A  NOSSA  ADESÃO A ESTA  FÉ  QUE NOS ACOLHE  E  LEVARÁ SEM  MESMO SABERMOS   ATÉ  ONDE..

07 dezembro 2012

UMA CANÇÃO INESPERADA

              Nesta época de duas ou três semanas anteriores ao Natal,só mesmo quem não tem "habilidades" nenhumas que mereçam ser mostradas,deixa de procurar publicar, propôr, oferecer,vender, não só na procura de fazer negócio como na de pura e simplesmente mostrar-se,agradar e quiçá tentar ganhar um público.Isto é muito visível nos escritores de todos os géneros de literatura e também nos músicos,autores e intérpretes. Foi assim que aconteceu agora com um grupo de autores e cantores muito estimados e apreciados pelo público que lhes é fiel há bastantes anos. Claro que o factor originalidade tem um enorme peso no que nos vão oferecendo e então de que se lembraram agora ? Bonito, original, de agrado certo e bem inserido na época e no ambiente em que se vive, pois mesmo o PADRE NOSSO ! A música é suave e as palavras,( o que se chama vulgarmente a letra, de toda uma missa) em que está incluido  o verdadeiro Padre Nosso,em latim, pois!
Resolvi escrevê-lo então, porque me parece que facilmente poderá aprendê-lo lendo-o quem acaso aqui venha a este espaço e queira cantá-lo...Porque é linda a canção-

               Pater  noster  qui  es  in  caelis, sanctificetur  nomen tuum.  Adveniat regnum tuum.Fiat  voluntas tua, sicut in  caelo et in terra.Panem nostrum quotidianum da nobis  hodie et dimitte nobis debita nostra sicut et nos dimittimus debitoribus nostris.Et ne nos inducas in tentationem, sed libera  nos a malo . Amen

02 dezembro 2012

1º domingo de ADVENTO

Fico sempre encantada,nas minhas leituras da Bíblia com a riqueza das metáforas que, pelo visto, era habitual em qualquer forma de comunicação entre pessoas mais ou menos cultas fossem elas. Profetas.sacerdotes, pescadores, cobradores de impostos, viúvas pobres,soldados... Hoje entrámos num novo ano litúrgico - o ano C - e teremos o evangelista SÃ0 LUCAS que seria o mais culto de todos, até mesmo médico,de formação,e talvez o maior admirador de Nossa Senhora.  Pois não foge a deixar-nos naquela suspeição de um fim de mundo haverá sinais no sol e na lua e ... ...angústia entre as nações que ficarão perturbadas com o rugido e a agitação do mar... velai e orai para terdes forças para fugir a tudo isto que está para acontecer...Fim de mundo de que hoje e agora as pessoas mais crédulas e temerosas insistem em pressupor para breve e a conversar sobre ele. Dias virão..., diz JEREMIAS, e vale-nos a sua promessa de que fará nascer um rebento justo... e Jerusalem viverá segura.
Não posso. nem quero deixar de recordar aqui a alegria do profeta BARUC que regressado do cativeiro clama alto ERGUE-TE JERUSALEM, SOBE AO ALTO ! Ainda ontem nós portugueses celebrávamos a libertação do nosso cativeiro no século XVII, e por isso também queremos hoje clamar:SUBAMOS AO ALTO ! Esta será a nossa metáfora deste 1ºdomingo do Advento-século XXI onde o eco dos acontecimentos milenares ressoa  e a recomendação de SÃO LUCAS tem toda a pertinência.   

01 dezembro 2012

1640

 
 
Isto é uma "fatia" de uma Espanha que todos os portugueses visitam : em Granada, ao fundo a Sierra Nevada, e tudo e tudo ... Vai-se por gosto e quer pela neve aqui tão perto, quer pelas muralhas,quer pelo arabismo que se pode conhecer também tão perto,as pessoas vão ( ainda há pouco tempo era até pelos caramelos ) . E lembrarmo-nos nós de que se construiu em tempos aquele provérbio De Espanha nem bom vento nem bom casamento... Teria sido já depois do 1640 ? Agora é 1º de Dezembro e até vai deixar de ser feriado... Nós estamos com os espanhóis na U E e passam eles maus bocados como nós . Tudo está mudado e mudando nas relações até entre países e o que é hoje pode já não ser àmanhã... Vamos lá comendo os velhos caramelos para aguentarmos de cara alegre coisas tristes que se querem esquecidas, ao que parece... Mas não esqueceremos o jeito de atirar pela janela fora algum MIGUEL DE VASCONCELOS que se lembre de aparecer por aí... Até eu lá iria ajudar...
 
 
 
 
 
 

29 novembro 2012

ANTES AINDA DO ADVENTO

Reparando com atenção acabo de verificar que o tipo de letra pequenina sobre fundo preto faz de alguns dos meus blogs uma coisa um bocado sinistra...
Hoje aumento o tamanho da letra e não aumento muito mais porque pareceria a despropósito... Mas não era !  Se usasse uma letra enorme,seria pelo menos de acordo com a alegria do meu contentamento agora( não me enganei ao falar da alegria do contentamento, pois sabemos muito bem quantas vezes pode acontecer contentamento= satisfação de uma vontade, sem haver alegria nenhuma ). E porque digo "agora" ? Também porque me está acontecendo cada vez menos a alegria e se às vezes parece acontecer, rapidamente surge algo que a amortece...  Tudo isto porque vem aí o Natal. E,não se sendo criança ou não se tendo uma  família, a Festa que nasceu por causa da FAMÍLIA e da CRIANÇA, perde toda a sua razão de ser FESTA. Passa a ser mais uma reunião social que será levada para o lado que a imaginação, a criatividade, a vontade de fazer festa, e a capacidade financeira quiserem ou permitirem que ela penda.Quem, como eu, não tem família nem crianças a fazerem parte da sua vida, que prazer pode tirar de festividades que( pondo agora de parte o verdadeiro calor da crença religiosa ) só levantam o pó de lembranças há muito enterradas de propósito na fundura do que preferimos não lembrar ?
É isso ! Preferir não  lembrar... É uma época que temos forçosamente que viver, como se fosse um túnel que se tem que vencer para chegar ao lado d e lá...
E não posso nem quero ser tão pouco grata que não guarde no coração a imensa ternura de amigos que nesta época me têm envolvido em provas de um amor incomparável, de um amor que só pode ser uma prova concreta da presença de Deus a olhar por nós. ... Mas eu e a minha solidão estamos em ferida, nestes dias. É  bem melhor que ninguém desconfie ...
Então, retomando o meu fio inicial da alegria, direi que mais uma vez Deus veio ao meu caminho.Como vai fazer? Onde vai querer estar? E quando? E como? Nós queremo-la cá... Vai mesmo ser. Terei um Natal ! ! ! Como todos os outros que me têm dado . Eu é que sei que os não mereço. Que os mereço sempre menos... Por isso a alegria maior agora !

25 novembro 2012

Domingo de CRISTO REI

Imaginemos Daniel nas suas visões da  noite, a presenciar,entre as nuvens dos céus, a entronização daquela figura de Homem mal definida, junto do divino Ancião. Ecoam, reboam como sinos festivos provindo do APOCALIPSE  « A ELE  A  GLÓRIA E  O  PODER  PELOS  TEMPOS SEM  FIM» Podemos, nós mesmos vê.lo caminhar entre as nuvens,clamando com voz poderosa " Eu sou o alfa e 0 ómega, aquele que É,que Era  e  que Há-de  Vir".
É verdadeiramente fascinante sentirmo-nos envolvidos nesta  atmosfera rescendendo ás grandiosidades  repassadas dos comuns luxos orientais da época  em  que São João visionava as suas apoteóticas cenas do Apocalipse!  A juntar a toda esta grandiosidade, somos ainda ofuscados pela luz majestática que se filtra através de cada palavra do Salmo 93: Reina  o  Senhor vestido de esplendor . mais potente que o fragor do mar é o Senhor majestoso nas alturas...
Como não temeria PILATOS  tamanha rivalidade quando perguntando a Jesus se ele era rei,ouviu como resposta  «É  COMO  DIZES, SOU  REI !»
A  frase única e necessária naquela hora de definições, mas de humildade,

24 novembro 2012

ANTÓNIO GEDEÃO

... sobe. luisa. sobe... que eles não sabem que o sonho é uma constante na vida... ... que o sonho comanda a vida...É  GEDEÃO, claro !
Faria hoje 91 anos. Conheci-o bem e fui amiga da Natália,sua mulher.Todos nós"sabíamos" escrever, mas cada um em seu "tom" sendo naturalmente o de António o mais elevado,  simples no fraseado, como simples era o autor, no seu convívio . Sendo por formação académica um homem das Ciências  isso mesmo o levava a uma aplicação quase esquematizada das situações  da vida de todos os dias que lhe era patenteada  quer através das dezenas de alunos,quer pelo que a sua sensibilidade captava em cada ocasional cruzamento de rua da grande cidade ( SOBE LUISA...  A LÁGRIMA - nem vestígios de ódio...água e cloreto de sódio...). Introvertido por natureza, era de uma clarividência amável e junto dele respirava-se segurança . Tranquilidade, dizia a Natália que era romancista com uma capacidade de compreensão que lhe permitiu sempre produzir retratos fiéis daquela geração em que tínhamos á mão um sem número de traduções dos franceses da Françoise Sagan, do Camus ou da Beauvoir...
Serenamente Gedeão diria

Compreende-se.
Lá para o ano três mil e tal
                  
É tudo um vastíssimo cemitério
cacos, cinzas, e pó...

E o nosso sofrimento, pra que serviu, afinal ?


Para que o lembremos com saudade e admiração, sempre, quero eu dizer aqui, hoje.

23 novembro 2012

THANKSGIVING DAY - CELEBRAÇÃO FAMILIAR

Este fascínio que tenho pelo especial carinho que leva  todo um povo a entender dever criar um dia  SÓ   dedicado a agradecer  o bem e o bom e na verdade aVIDA,com todas as suas vicissitudes, faz com que eu não deixe passar este dia sem um pensamento especial, uma oração das muitas que crio numa intimidade só minha... E assim, lá fui buscar um lembrete feito há dois anos, mas vou juntar.lhe certamente algo que o deslizar do tempo, agora tão pesado, me lembrou:

Creio que foi o presidente Lincoln que, ainda durando a guerra civil americana , decidiu criar este dia votado ao agradecimento a Deus. Do que tenho lido, deduzo que há muitas hipóteses sobre a data de origem desta vontade de agradecer, tanto no que à cidade ou região se refere, como no que na verdade se agradece, mas o certo, certo ,é que na base sempre aparece a ligação à Terra, às colheitas, aos bons resultados de um ano de trabalho. Surgiram as refeições festivas com a família reunida na mesma alegria e lá apareceu o belo perú que foi alimentado dos produtos da terra e que, naturalmente grande, fazia o "prato forte" da festa...E para os americanos , canadianos e até por ligaçóes que desconheço, para os holandeses, nunca mais deixou de se ligar o mais belo perú da quinta á alegria gourmet destas celebrações de perto de um final de.ano maisou menos feliz e bem sucedido.
Por tudo isto, foi com um enorme sorriso e com um verdadeiro encantamento que vi hoje,num noticiário televisivo, um lindíssimo exemplar de perú deslumbrantemente branco e de penas entufadas como uma borla de pó de arroz dos velhos tempos, ser oferecido ao presidente Obhama e ser por ele aceite em cerimónia pública e com direito a um pequeno discurso brincalhão...
Hoje sou eu que faço aqui no meu canto o meu pequeno thanksgiving por ainda haver neste mundo corroído de pesados sentimentos, intrincadamente mal-pensantes, um presidente que aceita entrar publicamente numa das mais inocentes e significativas brincadeiras que ajudam a alegrar e congregar o "seu" povo,,,

20 novembro 2012

SELMA LAGERLOF

Numa das minhas leituras de jornais matinais acabo de ler que hoje seria de festejar o aniversário de Selma Lagerlof e não houve maneira ( nem razão) para calar um tumulto de recordações que o nome dessa escritora sueca veio agitar na minha memória. Ela viveu nas duas 2ª e 1ª metades respectivamente dos séculos XIX e XX  e em 1909 recebeu o prémio Nobel da Literatura.Tem uma numerosa produção literária mas, quanto a mim, a sua enorme glória foi A viagem maravilhosa de Niels Olgersson um infanto-juvenil que preencheu de sonhos umas férias grandes, em S.Pedro de Moel, teria eu cerca de 14 ou 15 anos. As férias em S.Pedro eram por si  mesmas a abertura para aquele imenso  mar cuja ausência de limites me sugestionava e estimulava as ambições de liberdade em mim inatas, o piar das gaivotas nas manhãs tapadas de nevoeiro, o aroma dos pinhais a enrolar-se na maresia...e os gansos do Niels Olgersson a rasgarem horizontes sobre um mundo a descobrir... Foi de não poder esquecer nunca! Lamento quando aos meus jovens alunos de agora não seja aconselhada a leitura desta extraordinária autora cuja obra e o seu visionamento nórdico só enriquece o panorama  europeu da literatura.

18 novembro 2012

vem chegando ...

Que  o tempo voa, que ainda ontem era verão e já só se fala em Natal, é uma realidade que se não pode refutar. Oiço muito dizer que isto é uma consequência da ansiedade comercial que acaba por se alargar a tudo o que nos rodeia. Eu sinto na minha vida que o desenrolar das estações e das épocas se acelerou proporcionalmente com o crescimento do número dos meus anos vividos, e atribuo isso ao facto de  que aprecio tanto cada particularidade que caracteriza cada parcela do ano vivido, que tenho pena de náo poder prolongar o prazer dessa vivência por mais tempo...Concentrei-me hoje, na  celebração da missa no facto de só nos faltar o próximo domingo dedicado ao Cristo-Rei para estar acabado este ano litúrgico e estarmos de facto às portas do Advento. É verdade que jornais, revistas e televisão e rádio já ha um bom par de semanas nos estão manipulando os desejos e a cobiça para as famosas compras sem as quais parece que não haveria o nascimento do Menino Jesus e a ofertas que lhe fizeram esses míticos Reis Magos... Mas o Advento, meu Deus, quanta beleza naquela espera meio mãgica, transportadora, ela sim de quantas alegres esperanças !    !  ! Escuso de tornar mais clara a minha preferência por esta época e então, talvez por isso, atentei hoje pela primeira vez, chamada a minha atenção pela homilia do sacerdote, que a linguagem destes últimos evangelhos do ano nos transporta por vezes para o tom apocalíptico e nos pode induzir à previsão de uma vida eterna que realmente o Senhor,nosso Deus, projecta para os fieis à misericórdia do seu Amor sem limites como o de um Pai que tão bem conhece os filhos que tem...

11 novembro 2012

Sendo hoje domingo e  Dia de São Martinho,não quero  deixar de anotar umas quantas considerações não só por um, como pelos dois motivos.Na liturgia do dia de hoje era impossível ficar indiferente, já por se tratar de viúvas como figuras em evidência, e especialmente  de viú
vas pobres cujas possibilidades financeiras eram abaixo de permitirem qualquer tipo de generosidade.  A viúva de Sarepta não tinha de que fazer pão para si e seu filho quando econtrou  Elias (Livro dos Reis) e a viúva que Jesus viu na Sala do Tesouro a deixar as últimas das parcas moedas que possuia (São Marcos), ficariam a viver de esmolas ou então sucumbiriam à míngua, se não fosse a resposta que apenas a misericórdia de Deus pode dar a todos aqueles que nEle confiam e são capazes de ser generosos até à derradeira migalha exactamente porque confiam sem cálculos, sem" arriéres  pensées". Que belo e quão a-propósito este quadro de meditação!
Do querido São Martinho, o doce Bispo de Tours, que recebeu a homenagem de umas renascidas rosas nos jardins das casas por onde passava o cortejo que o levava a enterrar,lembrei uma vez mais as populares relações que prendem a sua memória às actividades da lavoura, no começo dos frios, carnes,vinhos e frutos rijos e também não ficou esquecida a mais célebre capa militar rasgada ao meio para cobrir do frio um pobre semi-nu..
Foi todo um renovar do apelo ao nosso AMOR pelo "outro" nas mais inesperadas situações, este Domingo que mesmo sem ser "feriado" nos permitiu prestar homenagem a tanta situação que a merecia...

06 novembro 2012

No dia de anos de SOPHIA

Era  límpida  a luz
derramada,sem mancha,
sobre as vagas inquietas
a espumar, a  escorrer sobre a areia.

Era princípio ainda;
do dia  impuro nada se sabia.
Havia  apenas, amplo,iniciático.
o lugar para os sonhos de partida...

Se chegava a ouvir-se o canto da sereia,
ou se apenas o som cavo, enigmático,
das grutas onde nasce a maresia,
quem podia saber ?Quem poderia ?

Misteriosamente
abriam-se horizontes
entre reminiscências de passado...
No ar, repercutia
um murmúrio salgado e insistente
apenas a lembrar.nos que existia
o areal, a praia, o MUNDO  de  SOPHIA !

do meu livro Sinestesias

02 novembro 2012

Dia de Finados

É  hoje  o dia  devotado pela nossa religião  à particular  homenagem, preito público áqueles que perdemos, ostentando da forma que nos parece mais eloquente a nossa saudade, o amor que lhes tínhamos e a falta que deles sentimos. E tornou-se  uniforme a maneira de exteriorizar tudo isso; com braçadas de flores, de acordo com as posses de cada um para adquiri-las( elas aumentam escandalosamente de preço neste dia ) as pessoas invadem os cemitérios  onde acaso só vão nesse dia do ano e cada cemitério borbulha de movimento e resplandece de cores numa inacreditável competição de beleza e imaginação floral. Acontece, como já dei sobejamente a entender, que não é esta "a minha praia " como está sendo moda  explicar a nossa não adesão a qualquer coisa. E como que me sentia um pouco envergonhada por não estar com os outros, todos os outros, nestas incursões fúnebres e alegres ao mesmo tempo,como me pareciam.  Quando há dois dias oiço um senhor Bispo, creio que Auxiliar do  Porto, ao ser entrevistado na TV, explicar aos entrevistadores  a percepção correcta do conteúdo de cada peça funerária de qualquer cemitério, seja ela monumental ou terra rasa, lembrando que são de respeito todas estas exteriorizações, mas de AMOR, do verdadeiro AMOR , daquele com que DEUS nos ama sempre até à eternidade, as únicas homenagens serão sempre e só as que ,em vida daqueles que perdemos, fomos capazes de lhes prestar com a riqueza dos nossos corações. De como me senti acompanhada, nem é preciso dizê-lo, mas como senti que a simplicidade da rosa branca explicaria muito, aí a deixo a falar por mim da minha saudade... 
          

01 novembro 2012

No dia 31 de outubro

                     

                       Falta  a  luz  dos  teus  olhos  na  paisagem;
                       O oiro  dos  restolhos  não  fulgura.
                       Os caminhos  tropeçam  à  procura
                       da  recta claridade dos  teus  passos.
                       Os horizontes, baços,
                       muram  a  tua  ausência.

                       Sem transparência,
                       o mesmo rio que te reflectiu
                       afoga, agora, o teu perfil  perdido.

                      Por  te  não  ver, a Vida anoiteceu
                      à  hora  em  que  teria  amanhecido...

de  Miguel Torga
              

                                                       

                                 

28 outubro 2012

O cego á beira da estrada - hoje

O cego Batimeu que vivia sentado à beira da estrada.
 Quando ouviu dizer que toda aquela movimentação à saída de Jericó era devida á presença de Jesus, começou a implorar em altos gritos «Jesus,filho de David,tem piedade de mim ».Repreendiam-no para que se calasse,mas ele cada vez gritava mais.«Filho de David,tem piedade de mim». Jesus então parou e disse: chamai-o ! Chamaram o cego e disseram-lhe : coragem,levanta-te. que ele está a chamar por ti. Ele atirou fora a capa ,deu um salto e foi ao encontro de Jesus que lhe perguntou:«Que queres que eu te faça ?» O cego respondeu :«Que eu veja,Mestre» Respondeu-lhe Jesus:«Vai, que a tua fé te salvou» .Logo ele recuperou a vista e começou a seguir Jesus na estrada-
-do Evangelho deSÃO  MARCOS, 14, 46-52
 Este cego que,à beira da estrada, gritou quanto podia e contra toda a conveniência que o mandava calar, pedindo a misericórdia de Deus através da amorosa comiseração de Jesus, é para mim uma das figuras mais pungentes de toda a imagética dos evangelhos. Sou eu, são todos os que só por um acaso assim poderão encontrar-se com Deus e falar-lhe, não só do que sofrem.mas também de como o esperam nas suas vidas, longamente, confiadamente... É o nosso grito por aí a ecoar nas beiras das estradas deste nosso mundo de agora ! ! !
Para os que não entenderem isto não sei se haverá outras estradas...

27 outubro 2012

Arco-Iris

 ONTEM. ao abrir da manhã, o céu estava
colorido  em forma de arco, sobre a minha rua...

25 outubro 2012

LISBOA, portuguesa e cristã

Os portugueses andam tão agastados com a sua vidinha de contas diárias, horárias mesmo, com as  inerentes  recusas, objecções e desejos do que lhes vai sendo proposto ou imposto por uma política que os arrasta num torvelinho de perguntas e ansiedades muito primárias, que, ou reduzem  tudo a uma só conta  cujo máximo denominador comum é  chegar-lhes o dinheiro, ou então se entregam ao desânimo que os faz desligarem-se de tudo... De tudo, digo eu, daquelas coisas que podiam ainda dar um pouco de graça às suas vidas. Quem se lembrou ontem das bem humoradas e ácidas FARPAS do RAMALHO  ORTIGÃO, a ramalhal figura como os seus companheiros de geração e cultura achavam que merecia,por mil razões, ser chamado ? E quem, depois de tantas e tão recentes questiúnculas públicas por causa da redução dos feriados, se lembrou que durante anos e anos o dia de hoje era o FERIADO DA CIDADE ? Em 1148, num 25 de Outubro, Lisboa passou a ser portuguesa e cristã. Não é bonito pensar em todos estes motivos para algum orgulho na nossa condição de PORTUGUESES a podermos falar de um tal Afonso Henriques ao qual, na altura, tantos cavaleiros europeus  quiseram ajudar a ser rei de mais uma lindíssima cidade ?

22 outubro 2012

VOLUNTARIADO

Um meu amigo infelizmente já desaparecido, filólogo e poeta, dizia que, tal como as roupas ou as cabeleiras, as  palavras  também têm  modas. Surgem um dia de um a-propósito tão adaptado a uma qualquer  situação ou ocorrência que, de adaptadas, passam a adaptáveis, moldáveis mesmo
  e aí estamos nós a lembrar-nos de mais esta e aquela aplicação perfeita.
E  assim nasce a moda .
Estou  agora a falar da palavra  voluntário,a  e do consequente voluntariado. Embora estejamos a viver uma época em que por mil e uma razões se justifica,ou antes, se torna necessário o voluntariado em quase todos os ramos da actividade humana, a entrada em "moda" da palavra não é de agora. Quero recordar aqui aqueles que, sendo eu menina, tanto admirava por se oferecerem como voluntários para a Guerra Civil de Espanha ,e me pareciam heróis,e bem mais tarde, alguns estrangeiros que conheci,na sua passagem mais ou menos longa por Lisboa e haviam sido voluntários algures, na 2ª Guerra Mundial , e ainda mais adiante alguns que foram voluntários na nossa Guerra de África... O que aconteceu foi que a esfera de acção que a palavra  voluntário vai podendo cobrir tem  perdido o cariz bélico que eu lhe reconhecia e tem alargado, alargado sempre e tanto ,que hoje é  uma imensa planura de caridade a crescer todos os dias mais um bocadinho...
Assim, velhinha, sosinha, trõpega e pouco móbil, foi-me proporcionado pela paróquia a que pertenço, um  lote  de Senhoras  encantadoras e amáveis a todos os títulos que. em voluntariado, me rodeiam de atenções e até carinho que eu acho nem merecer.  E  elas fazem-no em nome da paróquia. portanto sem quaisquer interesses de agradecimento ou louvor... Mas dão um pouco de alegria aos dias tristes, um poco de esperança quando muitas vezes nem já sabemos o que isso é.ajudam-nos a recobrar entusiasmos por vezes já perdidos e ainda nos ajudam em coisas práticas como sair para ir a uma consulta ou até para tratar de algo pessoal e inadiável...E, sobre tudo, vêm , o que se torna de uma imp ortãncia extraodinária quando vivemos sós. VIR álguém é sempre uma  festa !
Quem ler este post já pensou por várias vezes que estou a falar de um voluntariado que não é bem aquele das grandes notícias e das grandes "obras" de que tanto se fala... O dos Hospitais, por exemplo, com a minha espantosa amiga IRMà CONCEIÇÃO, claro, E o daquelas pessoas que largam tudo e partem para África, como fez a minha "sobrinha" Vera...  Pois. É um mundo imenso de boas vontades, diria eu, de AMOR !
Mas de palavra em moda, passou-se a ACÇÃO  de amor. Se não parecesse uma heresia, eu diria que foi um novo verbo que se fez carne, matéria. E foi de tudo isso que o Pároco da minha Freguesia, da minha Paróquia, que dirige amorosamente  a Pastoral da Saúde  em  Portugal, quis fazer neste fim de semana  uma  profunda meditação que fosse ao mesmo tempo  uma "revisão" e um exemplo  sugestivos bastante para uma grande e escolhida .assembleia de convidados interessados e interessáveis...
Foi nisso que ,por convite dele, estive profundamente mergulhada, tentando dar algum contributo. Com gosto, com  entusiasmo e,indubitavelmente GRATIDÃO 

v

17 outubro 2012

Dia dos Sem-Abrigo

Na minha qualidade de professora de literatura do meu país e sendo particularmente eterna apaixonada por CAMÕES, sinto sempre como o picar de um espinho no coração quandotenho que dizer a um aluno que naquele belo túmulo existente nos Jerónimos, pode haver ossadas de toda e qualquer pessoa, menos de Camões, visto que, não se sabendo onde o seu criado jau o terá sepultado quando ele morreu e sabendo-se, ainda para mais, que o terramoto de 1755 remexeu vigorosamente os cemitérios, ficou assim para sempre perdida a possível localização do que reste do corpo do poeta. Mas este não é um caso único, sendo apenas o mais clamoroso da nossa História da Literatura.
 E porque me assalta esta memória, hoje, dia qualquer de um outubro qualquer ?
Porque os noticiários matinais me anunciaram que, sendo hoje o Dia Mundial dos Sem-Abrigo, seria celebrada uma missa por alma das quase duas mil pessoas que a Santa Casa da Misericórdia até agora acompanhou misericordiosamente á sepultura, por morrerem sem ninguém que aparecesse a reclamar a sua pertença... É tão cruel este  não ser de ninguém , e faz-nos imaginar o que se teria passado numa vida que termina assim. SOLIDÃO !
Disse-me o senhor prior da minha paróquia .« solidão é uma doença ».E concluo eu .PODE MORRER-SE DESSA DOENÇA.

16 outubro 2012

Crer ou Querer ?

Aconteceu ser ontem o dia deste início de ano político de 2013, com uma espécie de abrir jogo da parte dos parceiros que nos couberam quando este novo jogo começou...
Tenho dito,( amarguradamente tenho pensado, estudado, ouvido, procurado informação eformação), que não acho honesto opinar sobre o tão sério e específico de tudo o que decididamente me ultrapassa no que sei ser a minha insuficientíssima bagagem de conhecimentos. Então posso reagir e agir com o coração...Uma vez mais viajo pela minha única experiência próxima da coisa política :foi o desaguar de um rio que se vinha insinuando na aridez dos meus conhecimentos, a Revolução dos Cravos ! Aí, eu creio que sabia,que podia, e entreguei-me sem escrúpulos, sem problemas de honestidade. Andei por criações de sindicatos. sessões de esclarecimento, entusiasmos de rua, com bandeiras e cravos,tudo em plena seriedade e convicção. Também era importante .:Havia algo que eu queria conquistar.De então para cá, como já disse, aconteceu como à cobra que vai largando uma pele. Nem vale a pena aqui falar de motivos, de razões... É do avanço na minha idade ou será de algumretrocesso na idade de outros? Não reconheço quase tudo e apenas sei o que prefiro guardar para memória futura. FUTURA ?...

os

14 outubro 2012

SEM DESEPERAR...

Este é o meu habitual post de domingo. Acontece que estou a fazê-lo pela primeira vez no meu computador chamado Samsung que veio ocupar o lugar do envelhecido e fraquinho Asus. E, como todas as coisas que vão fazendo parte da minha vida, isto deu-me muito que pensar...Primeiro, enquanto ser humano, muito marcado por estas coisa do"ir ficando velhinho e fraquinho", segundo, enquanto ser religioso que não saberei viver sem sentir, como digo num verso de um dos meus poemas "foi Deus quem pensou em mim?", e terceiro, como ser político, cidadão,patriota,que se sente magoado, magoado na real acepção desta palavra que significa com  mágoa.
Talvez seja agora ocasião de deitar para trás uma  olhada e recordar como me fiz cidadã deste país pelo qual hoje sofro, com uma dor fininha que não é parecida com nenhuma das muitas e grandes dores que a situação de ir vivendo me tem proporcionado. Nasci  numa cidade envolvida em vários véus de tradição , medieval acastelada, burguesa, à maneira do século XIX,salpicada de ruralidade, caldo de literatura para naturais e estranhos nela acantonados, militar, na galhardia do cumprimento das missões que iam para lá desempenhar os militares naturais de muitas outras terras,aldeias e cidades. Uma mistura de substratos a nenhum dos quais eram alheios os meus pais que a tudo isso ainda acrescentaram os verões numa praia atlãntica encastoaada em pinhais e cujas memórias ainda hoje são para mim talvez os melhores momentos de recordação, e uns outros verões de total ruralidade, trepada em carros de bois repletos de palha ou abóboras,  encarrapitada aos figos, nos ramos de uma figueira que pendiam sobre um riosinho cujo nome embora venha no mapa, nunca passou de um magrito afluente...Sucederam- se cidades aonde me levavam os desempenhos profissionais do meu pai, do Alentejo ao Minho, e que foram correspondendo sucessivamente aos meus progressos de aprendizagem por indução e intuição e ao avanço nos estudos. Até que era "uma mulherzinha" quando já na Linha de Cascais primeiro e em Lisboa depois, ouvi pela primeira vez falar em Salazar, em Franco, na Guerra de Espanha, em POLÍTICA, em suma. E em "direitas" e "esquerdas",estratégias, refugiados, países, e tanta outra coisa a isto tudo ligada e que para mim era o "abrir" do mundo ao qual não sabia até aí que também pertencia. Meu pai tinha a sua "estratégia" para fazer de mim uma mulher. A minha Mãe fora a primeira rapariga a frequentar o liceu da nossa cidade, sózinha no meio dos comentários de toda uma sociedade. Isto diz qualquer coisa sobre a teoria da educação e desempenho da Mulher que foi seguido na minha própria formação. Por exemplo, fiquei pesadona e pouco ágil (quanto,meu Deus"!) porque na altura de fazer ginástica nos meus colégios era obrigatório para isso o uso do fardamento da Mocidade Portuguesa e isso o meu pai nunca consentiu que eu vestisse... Na sequência sempre coerente do meu entendimento, por mim já elaborado, do que era ter uma pátria, atravessei o período da segunda Guerra,fiz o meu curso,aprendi com os refugiados e  os meus olhos já sabiam ver o Mundo para lá de muitos muros de angústias e ansiedades que em vagas de marés chegavam até nós. Um dos últimos conselhos do meu pai foi:"sejas o que fores,na vida nunca esqueças de que ,antes de mais nada, és um ser humano irmão de outros como tu e que é com eles e por eles que sempre deves levar a tua batalha "
Por todo este trilho que se vai deixando no caminho, ao procurar revê-lo, se percebe que ,como a cobra, foi uma pele de nós de onde fomos saindo mas tão nossa ficou sendo !E temos aqui e agora  de nós, do "miolo" de nós, tudo intacto e liberto,apenas com o exterior desgastado...
Perante o que  está a acontecer,o ser humano, o ser religioso e o ser que ama tanto o seu país não podem deixar de estar unos e coerentes a acreditar sofrendo,mas não desesperando...

07 outubro 2012

27º domingo


Hoje  ás  7  da manhã, da minha janela  via isto ! Quem me conhece sabe da minha paixão pelo nevoeiro. 
E, se São Marcos nos diz hoje que o próprio Senhor Deus reconheceu que «não convém que o homem esteja só», no momento da Criação, eu sei, de saber seguro, que é no envolvimento do manso nevoeiro que a minha alma se encontra com a companhia que o Senhor Deus lhe destinou...           

04 outubro 2012

DIA MUNDIAL DO ANIMAL

NESTE LINDO DIA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS, IRMÃO DE TODOS OS ANIMAIS, O MUNDO RESOLVEU INSTITUIR O DIA DO ANIMAL. ENTÃO AÍ ESTÁ O MEU ANIMAL, MEU IRMÃO, MEU COMPANHEIRO DE TANTAS HORAS DE SOLIDÃO... ELE TEM UMA ESPÉCIE DE LINGUAGEM COM A QUAL FALA COMIGO... ACREDITAM QUE DIALOGAMOS ?

01 outubro 2012

Dia Mundial da Música

Deixo entrar pela casa
a grande música !
Bach, Orff, Vivaldi,
Beethoven e Rodrigo...
Dvorak ou Falla...
E Tchaikowsky !
E Grieg !...
Entram em catadupas,
Em cascatas,
e despenham-se
e enrolam-se em espirais
como tornados.
E envolvem
e revolvem,
como um alagamento
ou uma convulsão...
Quando subitamente
se desdobram e espraiam,
e toda a cachoeira se desfaz,
são, borbulhando em espuma,
um mar manso e aberto,
um remanso de rias
ou represas,
ou lagos... ...
E o que fica no ar
é parecido com a paz
dos prazeres
saciados ! ! ! ...

Do meu livro Sinestesias



De la musique avant toute chose... É celebrado hoje o DIA daMÚSICA e logo no primeiro dia do mês no qual eu encontro todas as conexões com suavidade,doçura,apaziguamento, serenidade !

Nada daqueles entorpecimentos da geração que VERLAINE marcou com esta sua lei primeira da arte poética, mas um "estar bem" no mundo agora malgré tout... Parece-me de total inutilidade explicar aqui qual é a minha música uma vez que a incluo neste panorama do meu Outubro. Tive a sorte de me terem oferecido agora dois CDs de géneros bem distintos mas perfeitamente enquadráveis nesta tessitura das minhas horas de silêncios vitais : 14 valsas de Chopin interpretadas pela Mª João Pires e a Sinfonia nº 2 de Rachmaninov numa interpretação do maestro Temirkanov que faz com a Royal Philharmonic Orchestra absolutamente um festival. Já quase tanto, direi, como o Karajan quando pegava fosse em que orquestra fosse. Não se admirará ninguém de que uma pessoa com a minha idade não se entusiasme com os be- bop e todas as qualidades de pop com cujos barulhos a gente nova se embala, ou antes, se sacode. É a energia estuante que encerram nos seus corpos que precisa daquela válvula de escape . Por isso também hoje devem os jovens festejar a sua música. Lá chegará um dia em que também festejarão a minha...E como me irão então compreender!!!

30 setembro 2012

«SE A TUA MÃO FOR PARA TI OCASIÃO DE PECADO, CORTA-A*

ESTE É UM DOMINGO EM QUE O RADICALISMO DE JESUS MOSTRADO QUASE ASSUSTADOR NO EVANGELHO DE SÃO MARCOS, PAIRA POR CIMA DA EPÍSTOLA DE SÃO TIAGO E NÃO DEIXA DE SER PRESSENTIDO POR MOISÉS QUANDO PERGUNTA AO JOVEM JOSUÉ « ESTÁS COM CIÚMES DE MIM?...». ESSENCIALMENTE A LITURGIA DE HOJE É UM FORTÍSSIMO LIBELO CONTRA AQUELES QUE OLHEM PARA O SEU SEMELHANTE COMO ALGUÉM QUE  ELES PODEM INJUSTIÇAR SEM MERECEREM CASTIGO CORRESPONDENTE À CRUELDADE DA INJUSTIÇA, SEM QUE, NO ENTANTO,SEJA POSTA DE PARTE A CONFIANÇA NA ACÇÃO  QUE O SENHOR DESENVOLVE SOBRE  JUSTOS E PECADORES, COM A PRESENÇA DO ESPÍRITO SANTO..

NO MOMENTO POLÍTICO QUE SE ESTÁ A VIVER NO NOSSO PAÍS, AO MEDITARMOS NESTAS LEITURAS, NÃO PODEMOS DEIXAR DE ADMIRAR-NOS DA EXTRAORDINÁRIA UNIVERSALIDADE DO QUE ESTÁ POR TRÁS DAS METÁFORAS USADAS POR JESUS...





29 setembro 2012

LIMITAÇÕES TECNOLÓGICAS

Decididamente esta utilização das novas e mais ou menos recentes tecnologias pode ser  tanto  uma simpática fonte de prazer  como  uma enervante fábrica de arrelias. ´Nesta ocasião, eu e o meu computador estamos a viver a segunda alternativa que referi. Ele e eu somos como aqueles dois velhos amigos que, de tão velhos e tão amigos, vão ficando "caturras" e implicativos um com o outro . É pois preciso dar tempo a que "isto" passe... Receio sempre por ele que alguma "doença" o esteja condicionando.Quanto a mim , neste campo, só me afecta a impaciência...

21 setembro 2012

No dia em que nos foi pedida uma oração especial por doentes especiais...

ABENÇOA  O ESP´IRITO QUEBRADO
DE QUEM SOFRE A PESADA  SOLIDÃO DOS  HOMENS
O  SER
 QUE NÃO CONHECE REPOUSO
O SOFRIMENTO QUE NUNCA CONFIAMOS A NINGUÉM...

ABENÇOA A MEMÓRIA DOS HOMENS
QUE MORREM NESTA HORA,
DÁ-LHES,MEU DEUS, UM BOM FIM.

ABENÇOA, SENHOR, OS CORAÇÕES AMARGOS~
ANTES DE TUDO.
DÁ AOS DOENTES O ALÍVIO,
ENSINA O ESQUECIMENTO
ÀQUELES QUE PRIVÁSTE
DO SEU BEM MAIS QUERIDO.
NÃO DEIXES NINGUÉM NA TERRA INTEIRA
COM ANGÚSTIA.

ABENÇOA OS QUE ESTÃO NA ALEGRIA,
PROTEGE-OS,SENHOR !

A MIM NUNCA ATÉ HOJE LIVRÁSTE DA TRISTEZA-
POR VEZEZS ELA PESA MUITO !
ENTRETANTO DÁ-ME A TUA FORÇA !

ASSIM, PODEREI AGUENTÁ-LA .


                                            EDITH  STEIN

16 setembro 2012

Fazer política

´Cansaço  !
Uma vez que me é possível acolher-me à sombra de um imaginário anoitecer, ainda por cima salpicado de umas gotas de chuva, aqui estou eu, voltando costas a estes insistentes soalheiros dias de trinta e muitos graus que nos vêm secando a alma...a vida... a paciência...
Dorme-se mal, come-se mal, trabalha-se mal... e as pessoas andam mais feias, porque suadas e despidas  (infelizmente não sendo todas bonitas de se ver). Este particular ocorre-me porque ontem tive a dita de poder estar à frente do meu televisor algumas horas, sem ter de ser interrompida por nenhuma espécie de tarefa obrigatória, e vi mais pessoas juntas durante essas horas do que talvez em mais do que um,dois ou três anos da minha vida toda. Lembrei-me muito do dia 1ºde Maio de 1974. Agora, com os seus modernos recursos técnicos, a televisão cobriu o país de norte a sul e pudémos ver a indignação tanto em Braga como em Faro...Porque de indignação se tratava.Diz-se e bem que viver é sempre fazer política, mas quem faz política e lhe é encomendado que a faça na dupla função de tecer uma teia onde os povos possam sentir-se vivos, conviventes, e realizados, se não  se pensar a si mesmo como um dos muitos que aí cabem e o fizer por fascínio da sua posição, perante eles, pode contar com a indignação de todos os  que esqucer em nome de alguma coisa a que já não podemos  chamar política... Assim se viu ontem um povo inteiro, cansado de se sentir desconsiderado, clamando por uma política humana, sensível,pronto a fazer outra política... E como foi bonito, comovedor ! E como percebemos  a bondade das intenções e das queixas num tão fascinante quadro humano, ainda ousamos  confiar  a esperar...
.

09 setembro 2012

DENÚNCIA ?

Aqui está o meu post de domingo ! Pois bem, hoje encontrei-me com o meu amigo de longa data ISAÍAS.
«DISSE-MO UM CERTO ISAÍAS...»Alguém se lembra de um antigo poeminha meu,escrito num Advento ?
Ora,nem de propósito,como é uso dizer-se, Isaías vem dizer aos corações perturbados «tende coragem ! Não vos assusteis! AÍ está o vosso Deus !... ... os olhos dos cegos hão-de abrir-se e descerrar-se os ouvidos dos surdos... ...»
Cabe aos cristãos estimular a esperança, denunciar o que tende a derrubá-la.
É para isso que cá estamos, embora às vezes nos aconteçam uns assomos de fraqueza...e nos envergonhe o socialmente ridículo  ápodo de piegas... 

02 setembro 2012

Das atitudes públicas versus verdade do coração

Da Epístola de São Tiago  «Aos olhos de Deus,nosso Pai, a religião pura e sem mancha consiste em visitar os orfãos e as viúvas nas suas tribulações, e em conservar-se limpo do contágio do mundo »
Do Evangelho de São Marcos, 7 « ... ... do interior do coração dos homens é que saem os pensamentos perversos... ... ...Todos estes vícios provêm de lá de dentro e tornam o homem impuro»
NOTA:São Marcos transcreve estas palavras de Jesus que responde a críticas dos fariseus pelo facto de verificarem que os discípulos se preocupavam pouco ou nada em seguir as regras do comportamento social que eles praticavam e achavam indicador das suas boas "qualidades" por oposição às dos cristãos.
22º DOMINGO COMUM.

31 agosto 2012

Setembro e as vinhas e o vinho




Ainda  não é  SETEMBRO.
Pelo contrário :
é hoje o último de AGOSTO.


Ridículo seria eu dizer que me lembro
daquele especial cheirinho a mosto,
só pra rimar, como pelo Santo António...
Só faltaria ir
pôr essa quadra num qualquer craveiro...

São coisas da memória !
E do gosto, também !

Gostar,não gosto nada desse tal mês de Agosto.
Não é coisa de mania,
ou de simples má vontade...




Gosto sim do contraste
da frescura da adega meio obscura
com aquele abafamento ensoleirado
que nos calca os sentidos se,
rompemos pelo meio das cepas perfumadas...

Áspero e aveludado,roça-nos a pele
um rasto
que não é como no mar o convite à aventura...


È SETEMBRO
e do que me lembro
é desse limiar de portas que se fecham... 


Nasce puro e secreto  ali, o vinho.

Como o melhor de nós,
,de mim...que o sei
e de tanta  outra gente em quem o adivinho...

26 agosto 2012

Para quem iremos ?

Não há dúvida de que estamos a atravessar não só a dureza de uma ardente  meteorologia que parece disposta a   dissecar  os campos e a mumificar as carnes dos humanos que por sérias razões não podem fugir para uma qualquer beira de água,como paralelamente a liturgia nos vem fazendo atravessar a dureza das palavras de Jesus das que mais vêm bulindo com a nossa capacidade de aceitação em humildade.
Hoje SÃO PAULO  escreve aos Efésios aquela recomendação da relação de submissão e de amor possessivo entre marido e mulher, o Evangelho retoma o discurso da verdadeira comida, e conta que.a partir de então «muitos dos discípulos  se afastaram e já não andavam com ele» Felizmente que os Amorreus compreenderam Josué e também felizmente que, segundo SÃO JOÃO, Simão Pedro disse aquela frase que ainda hoje nós seríamos capazes de dizer a Jesus se ele nos
 perguntasse também se nos queríamos ir embora : para quem iremos nós, Senhor ?
É o amparo da nossa fé que nos ajuda sempre, nas situações adversas,mesmo "modernos" como hoje nos achamos... e somos.

19 agosto 2012

ILITERACIA

É  quase uma obrigação, esta leitura mais detalhada de alguns jornais  de fim de semana. Durante a semana leio apenas um . É ma escolha que se faz, obedecendo a várias razões, das quais não andam longe as nossas convicções morais, sociais, políticas e religiosas, e também a curiosidadesinha pelas origens ou desenvolvimentos de alguns pequenos  ou grandes escãndalos, que os há, espicaçados pela própria imprensa muitas vezes, ou de causas naturais que vão surgindo em todos os campos da sociedade dos humanos. E é interessante saber-se de como se vê ou como se pensa por esse país fora ou por esse mundo, interessante  principalmente quando encontramos coincidências com o que nós mesmos pensamos, e assim se reforçam opiniões... Q uantas vezes, porém, nos revoltamos ou nos desiludimos a partir daqui  !
HOJE que é domingo e que acabei de assistir à missa e ouvir a homilia que o sacerdote teceu humilde e conscienciosamente  ( Evangelho de SÃO JOÃO, 6), no 20º domingo comum, deu-se acoincidência  de que tinha lido uma entrevista dada a um grande Diário por um senhor padre actualmente muito conhecido como também homem de letras e cultura ljterária entrevista essa em que felizmente foi abordado o tema da ILETERACIA geral dos portugueses e muito particularmente do povo do Portugal interior e simples... O exemplo do Evangelho de hoje não podia ter acontecido mais oportunamente. Já algumas vezes tive ocasiao de ouvir o Sr,Cardeal Patriarca referir que seria muito necessária uma quase tradução dos evangelhos para o português corrente e que todos entendessem, porque seria esse o caminho para uma NOVA EVANGELIZAÇÃO... Há cerca de dois anos eu tentei juntar uns posts do meu blogue precisamente a dar uma vivência comum a coisas que me pareciam obscuras devido ao tipo de prosa " luxuosa" em que vêm escritas, mas não fui persistente bastante para continuar...
Hoje,ao ouvir como foi dificil ser claro ao sacerdote que  QUERIA explicar-nos como é que o terno Jesus queria que comessemos a sua carne e bebessemos o seu sangue, depois de ter lido a entrevista de que falei, fiquei enormemente preocupada sobre como e quando  a IGREJA  vai sair deste impasse...

15 agosto 2012

CHUVA,ENFIM !

Era  merecido que se colocasse um sinalsinho festivo no calendário , a destacar o dia de ontem. CHOVEU ! Em Lisboa ,a pobre cidade que se vê banida do carinho da meteorologia e fica a roer-se de inveja ao ouvir contar das chuvadas do Norte, de Coimbra pra cima, quase dia-sim-dia-não... Desesperada, ralada, empobrecida, deixou mesmo de lavar-se, deixou que uma poeirinha alergogénica fosse cobrindo mesmo aquilo que  a potente Natureza teima em nos mostrar que existe e ainda produz... Lisboa ontem nem queria acreditar na Graça que lhe estava a ser prodigalizada. E choveu toda a tarde e depois toda a noite e aquele concerto de vários tons em vidraças  e persianas, deu-nos a nós humanos uma esperança fresquinha. Lembrei-me então de que, pelos antigos calendários, hoje é o fim da canícula... Será que alguma coisa vai bater certo com aquilo que os mais velhos dos humanos tinham antes como verdades, meteorológicas, claro ? E bem dispostos  démos graças a Nossa Senhora no seu dia de assunção que definitivamente a fez, de Mãe de Deus, em simbolo maior da nossa Igreja, em nossa Mãe... Outra verdade em que fundamos todas as nossas outras verdades. Todas as nossas esperanças... E até nos  achamos com direito a alguns "orgulhos"... Lembraram -se da Batalha de ALJUBARROTA  e de Frei Nuno de Santa Maria...... ?

12 agosto 2012

dia 12 de AGOSTO

Hoje, sendo dia doze do mês, deste mês de Agosto que representa, apesar das suas razões para emigrarem, um  momento sonhado todo o ano pelos emigrantes, encontraremos Fátima a regorgitar de peregrinos que, neste regresso ao conchego das suas tradições e da sua fé, se reconfortam. E há uns que vêm casar-se ali, outros que guardam uma certa espera para também ali baptizarem os filhos, todos felizes na benção da Virgem dos pastorinhos. É mesmo um dia bonito, este, véspera do outro em que o Milagre é o mais lindo património espiritual potuguês...
Pensando em tudo isto, recordando, recordando.... Encontrei,por coincidência nas páginas do meu poeta :

Hoje,dia de rever e recordar MIGUEL TORGA

REMINISCÊNCIA

                        Prossegue o pesadelo.
                        Feliz o tempo que não tem memória !
                        É só dos homens esta outra vida
                        da recordação.
                        E tão inúteis certas agonias
                        que o passado destila no presente !
                        Tão inúteis os dias
                        que o espírito refaz e o corpo já não sente!

                        Continua a lembrança dolorosa
                        nas cicatrizes.
                        Troncos cortados que não brotam mais
                        e permanecem verdes, vegetais,
                        no silêncio profundo das raízes...

10 agosto 2012

AGOSTO

Dizia o Pessoa «que bom é ter um livro para ler e não o ler...», na sequência de mais ou menos um hino ao não fazer nada, coisa que há uns tempos a esta parte vai tomando quase foros de indecência. Então se já se entrou na idade de descansar ( a 3ª ), torna- se verdadeiramente  vergonhoso dizer-se que se está ou esteve pura e simplesmente sem fazer nada, isto é, coisa nenhuma. Tudo e todos estão verdadeiramente orquestrados para mostrarem a sua indignação pela nossa preguiça e para nos empurrarem para que apanhemos estafadeiras inomináveis em nome do que entendem ser uma espécie de seguro de saúde... Isto cria atmosferas sociais desagradáveis, quando não ridicularizantes... Mas eu quero que isto que acabo de escrever  sirva aqui de introdução a uma quase mea culpa por ter tido  em vários dias para trás uns "casos de consciência" por não vir ao meu blog, quando por um lado tinha vontade de o fazer, e por outro me assaltava a tal preguiça não só  estival... Vejamos.

 Dia 8 _ Àlém de não gostar de alardear as minhas razões de sofrimento, sem um qualquer envolvimento poético, foi este ano tão mais dolorosa do que era costume a lembrança quase minuto a minuto do último dia de vida da minha Mãe, que não consegui aquele mínimo de tranquilidade de que se precisa para dizer, escrevendo ou falando, a saudade, a falta, o vazio...
... E depois, sendo o dia de celebrar SÃO  DOMINGOS, assaltaram-me, de mistura, as palavras doces e as acções de carinho e ternura das minhas amigas DOMINICANAS que , em Fátima , tive a sorte de ter tido por conselheiras atentas e diponíveis. Foi um dia de grande turbulência sentimental... »ter um blog ... e não o cumprir...»
Dia 9 _ O que eu gostaria de ter "envergadura" para contar aqui a minha admiração por EDITE STEIN  ! Talvez um dia o faça, a recordar tanto sofrimento e força que me foram apresentados quando, há já tantos anos, visitei um certo museu em ISRAEL.. Tudo tem a ver com tudo, mas não podemos estar cansados de verão...
Dia 12_  O meu querido e nunca bastante louvado, antes parece que cada vez mais esquecido MIGUEL  TORGA ! Se fizesse festa de anos, eram já 105 ! « HOMEM INTEIRO ÉS...» Dizia eu sobre ele num soneto que lhe dediquei nos verdores do meu primeiro livrinho publicado... Torga arranjou maneira de ser mesmo "inteiro" na sua vida desde menino, rijo no contacto com as suas penedias de nascença, suave no contacto com o sofrimente dos outros, tantos seus pacientes...
Dia 10 _ Afinal ainda me faltava outra celebração centenária que a minha memória deixa esparsa sobre qualquer memorial, porque este homem pegou na  Vida e no-la ofereceu como quem diz : tomem lá, este é o meu país e há-de ser sempre esta a sua gente, e vocês a reconhecerão também em vós, ás vezes... JORGE AMADO.  A  tempos, todos fomos  capitães da areia, coronéis, gabrielas, sinhôsinho  Malta, seu Nacib...
Quão  grande este mês de Agosto !
De que eu nem  gosto, vejam só .


06 agosto 2012

De um país subdesenvolvido

É  tão suave  ter  bons  sentimentos
consola tanto a vida  de  quem  os tem
que as  boas  acções são  inesquecíveis  momentos
e é um prazer  fazer  bem.

Por isso, se no  verão  se  chega a uma esplanada
sabe  melhor  a  esmola  que  beber  laranjada
consola mais viver  assim no  meio dos mais pobres
que  conviver com gente a quem não falta nada.

E ao fim de tantos anos a dar do que é seu,
independentemente da maneira  como se alcançou,
ainda por  cima  se  tem  lugar  garantido no  céu,
gozo acrescido  ao  muito  que  se  gozou,

Seria este ( se não tivesse outro sentido )
o ser natural  de um país subdesenvolvido...

de RUY  BELO

( leitura de um poeta do século XX, pensando no mundo de aqui e agora )

27 julho 2012

Helena, a filha do Professor CIDADE,,

...Agora desaparece a  Helena. Os meus sentimentos perante a sua memória nada têm que ver com os que o desaparecimento do José Hermano Ssraiva, há dias, me suscitaram.  A Helena era companheira de curso, de trabalhos, de confidências, de idade,de preocupações... Ela fazia parte daquele grupo de raparigas e rapazes tais como o José Hermano Saraiva ou o Sebastião Gama ou o Lindley Sintra, que,  não sendo embora do nosso curso ou das nossas idades, tinham algumas aulas em comum conosco e,cá fora das aulas,acabávamos todos, muitos outros, por conviver, graças a muitas e diversificadas razões.Claro que entre as raparigas surgiam por vezes afinidades específicas e, de uma ou de outra forma, nasceram nesse grupo amizades para a vida. A Helena atravessou aí uma época de exaltação religiosa e acabou por me "arrastar"  a uma maior frequência possível da Igreja nas traseiras da Faculdade, sendo eu de uma família de formação sólida e prática serena de um catolicismo tradicional...Também frequentei a casa,ali muito próxima da Faculdade, conheci a Mãe e a irmã. Sendo o Pai nosso professor de Literatura Portuguesa,eu apreciava imenso a sua maneira de olhar a literatura como uma vedadeira História do país, filtrada por vertentes de múltiplas inclinações que o professor nos induzia a descobrir e desmontar. Quando chegou o fim dos fins, tirámos como sempre a tradicional fotografia do grupo com um só mestre, naquele incrível claustro com erva da altura das nossas pernas e ratos a correr pelos espaços. A Helena era a mais alta e ficou a rir, decerto a rir de qualquer coisa como era seu costume, não "para" qualquer coisa...
Depois seguimos... e fomo-nos perdendo. Casámo-nos, trabalhámos ,e fui sabendo dos companheiros, mais ou menos a miúde. A Helena com o seu carácter apaixonado entregou-se às suas preocupações socio-político- religiosas e dedicou-se  a tarefas verdadeiramente meritórias mas imensas...
Hoje sei pelo jornal que ela partiu.Gosto de poder pensar nela como era, quando éramos nós... Lembrá-la-ei daqui para a frente como simplesmente A HELENA...

22 julho 2012

FAZER COMPANHIA

Hoje é domingo quente, como têm sido e é próprio nesta época a que os antigos chamavam canícula e era compreendida entre 15 de Julho e 15 de Agosto. Por causa do calor, mas também por outras coisas, estamos cansados ( ou preguiçosos?) e por isso as pausas, as férias... No evangelho de hoje, (são marcos,6) Jesus convida os discípulos a fazerem juntos um descanso num lugar tranquilo... Porém viram-se inesperadamente rodeados por uma multidão que os seguira unicamente para ouvi-los... Certamente terá sido o seu aspecto que levou Jesus a compreender que se tratava de pessoas "perdidas" no rumo, desconhecedoras de tudo o que teriam ouvido dizer daqueles homens... E diz o evangelista que Jesus começou a "ensiná-los"... Bem! Ensiná-los!! Quem me dera ter sido um dos desse grupo! A verdade é que eles estavam como ovelhas perdidas e encontraram quem os amparasse para seguirem caminho... e por esta via o meu pensamento voou para o valor, o apreço que dou àquilo que chamo fazer companhia. Recordo que a palavra companhia provem do latim vulgar cum + panis, isto é: com+pão, o que deu lugar à palavra companha que se reporta à tripulação de um navio, a qual, muito tempo fechada no espaço de um barco, tinha que partilhar o alimento. Daí à palavra companhia, percebe-se como foi simples chegar e também a companheiro/ companheira. Há todo um sentido de reunião e partilha, intimidade e pluralidade quando se fala de companhia, disso não há que ter nenhuma dúvida. O que já me suscita algumas questões é o emprego do verbo adequado: fazer companhia será muitas vezes (ou sempre) "dar" companhia? A presença de um amigo que nos vem fazer companhia não será antes de tudo uma dádiva?


Para as ovelhas perdidas do evangelho a companhia e os ensinamentos de Jesus não foram como uma partilha, uma dádiva?

É bem como tal que eu me sinto acolhida no "barco" daqueles amigos que fazem a companhia que vêm dar-me...

20 julho 2012

PÁTRIA ANTIGA

          Que de uma pátria antiga
          se tratava
          foi-me herança
          encontrada
          quando vim...


          Que de uma pátria antiga
          eram os trilhos que pisava
          fui percebendo aos poucos
          ao perceber-me a mim.


          Que de uma pátria antiga
          eram a língua e os livros
          e os poetas
          aprendi, decorei
          e, apaixonada,
          os segui e adorei
          como a profetas...


          Que de uma pátria antiga
          sou pertença
          terreno, património
          erva daninha,
          não duvido.


          Nem espero que adormeça
          sem na sua textura me envolver....


          Porque uma pátria antiga
          é vida ... Que remoça
          e recomeça
          se a amarmos tanto que não possa morrer..


em memória de José Hermano Saraiva
retirado do meu livro Sinestesias

15 julho 2012

A MISSÃO

Amós respondeu a Amazias: eu não era profeta nem filho de profeta; era um simples pastor e cultivava figueiras. O Senhor--- é que me disse :vai, que hás-de ser profeta, no meu povo de Israel ! ( CAP. 7do LIVRO de AMÓS )
«JESUS chamou a si os doze APÓSTOLOS e começou a mandá-los em missão dois a dois.... ...Se algum lugar vos não receber, nem vos escutarem, ao sairdes de lá, sacudi o pó dos vossos pés, como testemunho contra eles. »Os Apóstolos partiram...( Evangelho de SÃOMARCOS , 6 )
Assim lembrava hoje a liturgia como foi o sinal de partida para a difusão do que havia de ser o nosso "código" de conduta e o sustentáculo das ansiedades espirituais inatas ( "então" não entendidas )de um povo ainda sem capacidade para perceber que o que então lhe era prometido por estes homens simples ,iria  perdurar por milhares de anos como a sua dignificação e a das suas descendências...
E aqui estamos nós hoje,século XXI, ainda na labuta de sermos recebidos , de sermos escutados e a termos tanto e tanto que sacudir o pó dos nossos pés...Àlguns de nós com uma imensa saudade daquelas figueiras que um dia teremos cultivado com AMÓS...

08 julho 2012

AMAR

Na sequência do que vinha dizendo no meu último post,todo esse amor reconfortante a que aí me referia é a dádiva que acaba por dar gosto à minha vida solitária,quando vem de outros para mim e é o que me leva a questionar-me sobre se eu  terei capacidade  retributiva, quanto mais não seja para cristãmente amar ao próximo como a mim mesma.
...como a mim mesma...Aí estará a chave da minha incógnita.
De muitas sobrinhas-netas, pela cadeia familiar do meu marido, uma há que há dias me telefona, quando é nosso hábito usarmos a net para contactar«...Tia, há muitos dias que não aparece no blog, passa-se alguma coisa ?» Ela tem uma filhinha de dois anos e está quase a ter uma outra; está a acabar mais um curso, tem trabalho num atelier seu, aos fins de semana vai com o marido ver os sogros que vivem a cento e tal quilómetros de Lisboa...e  tem tempo para dar por falta de uns desabafos de uma velha e distante tia,na net... Para mim, isto é AMOR. Já em tempo de férias, entram-me em casa em grupinho uns alunos que nem tiveram exames e puseram-me nos braços um enorme ramo de flores brancas «achámos que para si tinham que ser brancas »...para mim, isto é AMOR. Há um amigo que me dá todo o apoio em tanta coisa da quotidiana prática  que  nunca foi da minha formação para a Vida há sessenta e mais anos_ papeladas, aparelhos, modos de encarar e resolver coisas sérias e novas para mim ... Ele tem vários trabalhos que lhe enchem os dias, tem mulher, filhos homens,animais de casa e família em Lisboa e longe de Lisboa. Pois ,tendo eu algum problema pendente, daqueles que só com a sua ajuda  posso encarar, arranja tempo e espaço, para surpreendentemente me aparecer à porta de casa, de manhã cedíssimo, «podemos ver aquilo agora '» ou agarrar no telefone por todo um serão «vamos tentar resolver aquele caso ?»...e nem jantou, sei depois pela mulher ...Para mim, isto é AMOR.A minha empregada que, verficando ser aquele dia o da ESPIGA, e que ela não m'a trouxe pela manhã como desejava, apareceu.me na hora de jantar com a sua gente,a trazer um ramo de Espiga... Isto para mim é AMOR. Inúmeras acções pequeninas e imensas, bem grandes, vistosas como viagens à ESPANHA ou temporadas mascaradas de lazer, para ajudar-me, sob uma elegante forma plural. A amiga que,por acaso,precisava até de ir no seu carro a um local onde só num carro e acompanhada eu poderia ir ,nesse dia e nessa hora ,tudo, tudo é  AMOR DE LETRAS MUITO GRANDES que hoje é o suporte da vida que procuro viver assim,por eles e com eles ,mas sempre na sensação de nunca a nenhum destes amores poder dar a entender o enorme turbilhão que quase explode a cada passo deles...  O que se me enrola no peito  não é mais do que o pobre, o pobríssimo
AMOR  que a eles voto, mesmo sendo sem dúvida cristão...

06 julho 2012

SE EU NÃO TIVER AMOR SOU COMO UM SINO OCO E RACHADO... eram mais ou menos estas as palavras. E,de facto, não me parece possível viver sem aquele docinho que se anicha no nosso coração quando nos sentimos tocados pelo amor de alguém. Longe, longe, aquele amor de letra grande, dos arrebatamentos, das mãos trementes, das palavras ciciadas ao ouvido, da paixão da entrega, duma juventude onde tudo isso leva a uma necessidade de resoluções..
Falo agora do AMOR  da Vida nossa de cada dia, do amor ao outro, do amor que aquece, do amor que conforta, do amor com que se conta mas, egoísta, se deseja sempre mais, do amor onde se encosta a cabeça cansada, onde se pode afogar uma mágoa, uma simples dor, uma desilusão, um suspiro, um ai... Do amor que corre para nós porque adivinha, do que nos estende a mão quando nem nós mesmos nos apercebemos de que já vamos a cair...

24 junho 2012

SÃO JOÃO

Uma vez mais, domingo! Dizia-me uma leitora "malgré tout" : mas  porque escreve sempre ao domingo, sempre sobre as missas e os evangelhos, e não escolhe a semana, para falar de outras coisas da nossa vida?  Pois não lhe soube responder senão com a desculpa da falta de tempo nos dias de semana. Falar-lhe do meu fascínio por aquela forma de literatura que encontro nos evangelhos e livros sagrados parecer-lhe-ia um pretenciosismo. Falar-lhe da minha/devoção/curiosidade/paixão por Jesus-pessoa e Jesus-filho de Deus, falar-lhe de como entendo a Santíssima Trindade pelo que faz em mim o Espírito Santo, a ela que nem sequer aceita a existência de Deus, parecer-lhe-ia pura beatice que a afastaria de mim, o que seria a última coisa que eu queria... Pelo menos, assim, lá me irá lendo... E como é inteligente, eu posso ir cultivando uma pretensiosa esperança de estar a fazer uma certa espécie de evangelização. Feita a introdução...
Vamos pois hoje festejar o dia de anos do nosso São João (dom de Deus), aquele bom gigante que  tão perto esteve de Jesus, pelo parentesco, pela admiração (não serei digno nem de apertar-lhe as correias das sandálias), pela  apresentação através do baptismo, pela sua luta sempre moralizante que acabaria por levá-lo à morte, pelos seus brados no deserto... Milhares de anos volvidos, quem sabe o eco desses brados não poderá ainda trazer até os nossos dias a ressonância desse anúncio de um JESUS de cuja presença entre nós, estamos precisando cada dia mais ?...

17 junho 2012

A SEMENTINHA E O GRANDE CEDRO

...E não lhes falava senão por parábolas mas,em particular, tudo explicava aos discípulos ( S. Marcos, 4, 26-34) .Dizia Jesus ; "- A que havemos de comparar o Reino de Deus ? Em que parábola o havemos de apresentar? É como um grão de mostarda que ao ser semeado é a menor de todas as sementes que há na terra, mas, depois de semeado, começa a crescer e se torna a maior de todas as plantas da horta e deita ramos tão grandes que as aves do céu podem acoitar-se à sua sombra..."
Mas, no Livro do Profeta Ezequiel, é o próprio Senhor Deus que fala e usa quase símbolo do seu poder, essa imagem da planta que deve crescer  como o desabrochar e agigantar.se dum  majestoso cedro.
Do cimo do grande cedro, dos seus ramos mais altos,eu próprio vou colher um ramo novo e vou plantá-lo num monte muito alto e ele há-de lançar ramos e dar frutos e tornar-se um cedro majestoso onde farão ninho todas as aves .E todas as árvores dos campo hão saber que Eu sou o SENHOR;abato a árvore elevada e elevo a árvore abatida, faço que seque a árvore verde e reverdesça a árvore seca. Eu, o Senhor, o afirmei e o hei-de realizar.
Jesus seria esse cedro majestoso e nós perguntamo-nos hoje se todos e tão produtivos e até viçosos prjectos de Deus não estarão ainda em fase de esboço, porque este tempo do Senhor não é igual ao nosso tempo. E também porque nem a terra ,nem as sementes,nem os cedros de agora são como os dos Evangelhos de então... Será que ainda estarão para ser ? ? ?...

14 junho 2012

PORQUÊ?


No  último post que aqui deixei antes, mas a caminho já de uma decisão de desistência, creio que deixei mais ou menos esboçado o retrato da insegurança. Acabo de confirmar certezas sobre dúvidas que tinha. Muito me tem sido dito em termos, olhares, sorrisos e palavras elogiosas acerca da minha actividade como blogger  e de um modo geral como utilizadora da net para tratar de coisas práticas da vida quotidiana. E esses ditos e atitudes sempre me foram parecendo semelhantes aos que se dizem a um precoce Joãosinho ou a uma desinibida Joaninha que entre os cinco e os seis anos já dizem "bom dia" em inglês ou sabem cantar o Frère Jacques sem  se enganarem... Decididamente uma octogenária não é suposto meter-se nas modernices da electrónica...... e aguentar-se lá ...
Pois tinham razão, sim senhor ! De tanta coisa que ela ultrapassa para "funcionar" na net como quem sabe ! Nem sequer pode comparar-se aos "meninos prodígio", porque esses têm uma vida à frente para aprenderem tudo desde os alicerces, e isso lhes dará a segurança que a velha senhora sente faltar-lhe logo que qualquer pedra ou buraco se lhe atravesse no caminho.
Agora que percebi que a estrada do computador pode estar cheia de surpresas que dificultam as caminhadas, agora que vi "claramente visto" que não tenho conhecimentos para achar soluções e que só numa estrada bem lisa sei caminhar, experimentei  que o amargo da insegurança é a causa de mais uma das fraquezas que a idade me traz e resolvi  travar uma nova luta, uma vez mais, uma vez mais...
Mas porque  terá que ser assim ?
Porque me terá querido pôr à prova o meu velho e querido companheiro  blog ?

13 junho 2012

intervalo

Se acaso ainda tenho alguns leitores que me procurem, percebi hoje que seria bom informá-los de que, por motivos de avaria informática, estou em fase de reaprendizagem, tentando adaptar-me a novos modelos de base de sustentação e tentando esquecer os "vícios" que havia adquirido em cerca de seis anos de prática nos mesmos modelos e formatos.

07 junho 2012

Uma data, no meio de outras

Nisto do passar do tempo não encontramos segurança nenhuma que nos permita criar uma linha de normalidade. E falamos de rotinas como se acreditássemos nelas, mas certo, certo e regular é apenas o enrolar e desenrolar de horas, dias, meses, anos, numa  arritmia que joga connosco como se não  fossemos mais do que pequenas marionnettes.Tão depressa o tempo nos sobeja, na peganhenta fossa da reforma ou das convalescenças ou das esperas, como tudo subitamente se atropela com entre-choques nos fazem perder parcelas de tempos que foram  vida e se enovelaram a ponto de lhes deixarmos escapar as  suas coordenadas...Não estou a falar de "esquecimentos", mas apenas de "atropelamentos" que impossibilitam por vezes   a  coabitação e nos obrigam também por vezes a fazer escolhas e a "acelerações" nem sempre desejadas ou desejáveis. Oh! que lá me escapou o aniversário de... Quase um mês sem ter tido com quem conversar... e logo nesse dia se lembraram de mim...
Isto desestabiliza. Mas é a marca de uma época, de uma geração habituada a improvisar e não planificar, a não rotinar.Há que levar a nossa vela a apanhar os ventos "de  feição" e ir seguindo like a puppet on the string...
E no dia dois de junho estava tão rodeada de felicidade que só  na hora das minhas orações recitei em silêncio aquele poeminha:
Ardeu, como uma dor
o sol
daquele dia...
Quem diria~
que dói~
com tanto ardor,
quando somente foi
parte da nossa Vida
que partira ?...

05 junho 2012

Na minha manhá, Juan Ramon Gimenez

Depois de um fim de semana reposante,tonificante, amigo, reencontro obstinado com a crueza dos dias... Vale-me, frente à janela do meu quarto, o verdadeiro cortinado espesso de um olmeiro que ali partilha comigo a vida e a cidadania há uma boa meia centena de anos. Ele me oferece, manhã ainda parda, um concerto de melros e pardais e depois, mais tarde, ouve e faz-se eco com a brisa já acordada, das minhas comovidas orações matinais..
                              .A VIECES, SIENTO
                              COMO LA ROSA
                              QUE SERÉ UN DIA COMO EL ALA
                              QUE SERÉ UN DIA;
                              Y UN PERFUME ME ENVUELVE, AJENO Y MIO
                              MÍO Y DE ROSA;
                              Y UNA ERRANCIA ME COJE, AJENA Y MÍA,
                              MÍA Y DE PÁJARO...
e então aí está mais um dia que vem trazer-me sempre qualquer coisa de alto, talvez seja mesmo eesperança... Só que as oscilações da realidade se encarregam quase sempre de me enrodilhar os dias, e , cansada, à noite já perdi  esse perfume de rosa e essa errancia de pájaro...

27 maio 2012

Pentecostes

O ideal seria que qualquer possível leitor deste post conhecesse e pudesse ouvir agora aquela belíssima  balada cantada por Frei Hermano da Câmara que começa docemente......« o espírito de Deus...»
É que, celebrando nós hoje aquela espantosa maneira  com que a nossa Fé nos prodigalizou a possibilidade de sentirmos presente e interior a companhia do nosso Deus em todos os momentos de qualquer acto nosso, celebrando nós hoje esse longínquo dia, repito, parece tornar-se a celebração desproporcionada com o celebrado ,se não tiver aquele misto de música e magia que ajuda a arrebatar-nos para cima, sempre mais para cima !...Cinquenta dias passaram sobre tão violenta, mansa,sofrida, didáctica e incisiva progressão para a nossa formação de Cristãos. Faltava-nos este incêndio com que poderíamos pegar este FOGO ao Mundo todo... Uma rajada de vento, umas pequenas chamasinhas...E esse ESPÍRITO  DE DEUS  pairaria, de novo, como no primeiro dia da CRIAÇÃO, quando então ainda tudo era bom...
Hoje, cantava-se na missa uma sequência no meio da qual implorei especialmente:
            ABRANDAI  DUREZAS
           VINDE,PAI DOS POBRES
          NA DOR E AFLIÇÕES
         PARA OS CAMINHANTES 
         HABITANDO EM NÓS
         SOIS O NOSSO ALENTO !
          ANIMAI OS TRISTES,
          GUIAI OS ERRANTES

E  trouxe comigo  uma estranha sensação da paz que me tem faltado !