09 maio 2010

Paz

Como rapidamente voou esta minha semana começada pelo inefável prazer de ir, de certa maneira, estimular com a minha presença os primeiros passos de um esperançoso grupo coral a estrear-se e acabada em dia negro, chuvoso e frio, com a lareira de novo acesa e eu a saboreá-la, em conversa com uma amiga !
Tanta coisa passou por mim destas em que nós, mesmo sem termos parte activa, nos sentimos envolvidos e, mais do que envolvidos, por elas sacudidos, marcados. No entanto, o verdadeiro remate de tudo foi hoje a palavra de Jesus no Evangelho de São João: deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz.Não é como o mundo a dá que eu vo-la dou.Não deixeis que o vosso coração se perturbe ou tenha medo.Foi curiosamente o senhor bispo das Forças Armadas que, presidindo à tão bonita celebração lisboeta da festa da Senhora da Saúde, escolhida pelas tropas de Artilharia como sua padroeira, que explicou com uma clareza lapidar que diferença tem para nós, cristãos, esta paz de Jesus daquela que o mundo dá.Quem melhor do que um homem que,embora sacerdote, vive no mundo dos homens da guerra, para nos explicar a nossa Paz?E então desdobrou-se perante nós todo o catecismo do Amor que é de facto um tear diferente para tecer um diferente tecido...Na sufocante atmosfera do economicismo em que vivemos agora, como conseguiremos a paz do coração e do espírito enquanto não soubermos olhar
o Outro que sofre o mesmo que nós e não fizermos tudo o que está ao nosso alcance para que seja também sua a nossa Paz ? E, não sendo das Guerras que falámos até agora, foi por acaso um avivar de memórias, nesta semana,a celebração da data do fim da Segunda Guerra Mundial em vários países. Para a minha geração , quanta lembrança ! Mas tudo, tudo emoldurado pelo estremecimento colectivo dos preparativos para receber a visita do Papa,na semana que vai começar.Ninguém como os portugueses para anteciparem gozos e sofrimentos com uma volúpia jornalística que quase nos bloqueia...
Quero a Graça da minha Paz para ser em plenitude uma peça pacificadora dentro deste enorme torvelinho da vida que estamos vivendo...

1 comentário:

Bel disse...

Que lindo texto!!!