17 maio 2008

Família

Não sei como, não me lembro de, em outros anos, se ter comemorado o Dia da Família. Para mim, o dia da Família foi sempre um dos complementos bonitos do dia de Natal. Mas, entendendo bem o alcance político - social de governos actuais, face ao envelhecimento das populações e entendendo ainda melhor a acção da Igreja face à ignorância propositada de valores que hoje é incutida nas práticas sociais, resolvi fixar-me um pouco sobre tudo isto. E aconteceu que dei comigo a recordar quem? Pois a minha sogra. Francesa de Paris, inteligente e trocista, espirituosa e mordaz, tinha aquele jeito parisiense que era capaz ou de nos cativar ou de nos gelar, com a mesma graça de um sorriso sempre a propósito. Foi ela que um dia me ensinou este provérbio francês que eu não sei se tem um português correspondente:
Les amis on les choisit; la famille on la subit.
E ficaram por aqui as minhas meditações sobre esse tal dia...
Não sobre a família !

2 comentários:

jj disse...

De facto, escolhemos os amigos - e ainda bem! - e suportamos a família, efectivamente, nuns casos mais que noutros... Essa sua sogra parece-me ter sido uma pessoa literalmente extra-ordinária! :)

Jinhos.

Anónimo disse...

Obrigado por me mostrar um bocado da minha bisavó que tanto gostaria de ter conhecido,
Um beijo Vera