09 setembro 2007

Porquê um blog ?

Que quero eu com este blog ?É apenas um exercício de escrita? Pressupõe este um arrumar de ideias? Ou é antes um arrecadar de ideias, através de um exercício de escrita? Não será antes um substituto daquele interlocutor ou daquela companheira “de route” que tanta vez me falta para só falar, falar para dizer coisas, falar para me ouvir sobre coisas...?
Fui educada em discrição, poucas palavras, ausência de palavras “pequeninas”, que é o nome que eu dou às palavras mimosas, de mimo mesmo. Trouxe portanto para a vida prática um vocabulário seco, estrito que depois fui aprendendo a enriquecer com as belas adjectivações , metáforas e ironias dos meus autores estudados, preferidos, alguns. E , nesta espécie de autodidatismo, comecei, muito novinha a impressionar-me muito , nas leituras do Novo Testamento, com a dureza das falas de JESUS. Há certas pasagens em que,à luz da educação que recebi, Ele chega a tocar as raias da má educação, na forma como fala à MÃE ou aos Pais. E como isso contrasta com os diminutivos amorosos que utilizam os autores das variadas Epístolas para se dirigirem aos pagãos que queriam cativar ! Creio que as contingências da maioria das traduções que nos vieram ter às mãos têm muito a ver com isso, mas será impossível, no entanto, deixarmos de ouvir Jesus dirigir-se à MÃE usando o vocativo “mulher”, tal como o usa para chamar a prostituta prestes a ser lapidada, ou a pobre doente que o persegue para que a cure.Diz-nos o Evangelho que Nossa Senhora via crescer o filho “em graça e sabedoria” e “Tudo guardava no seu coração”. Também ensinou assim as mulheres a erguerem nos seus corações os mais secretos templos de amor não exteriorizado...
E por aqui comecei hoje, na sequência das leituras da missa em que, por muito que as homilías quisessem adoçar, para nós ficou nitidamente claro que Jesus nos exige ,muito
concretamente, o abandono radical de toda e qualquer fraqueza humana de coração, para podermos segui-lo.DIFÍCIL !!!
Tanto mais difícil para mim esta semana PORQUE : 1- recebi visitas e recados com provas de tanto gostarem de mim, que foi inevitável aquele calorzinho no peito, que vem do orgulho; 2 - vi um filme na TV ( coisa que não é de meus hábitos) de que muito gostei porque me veio fornecer provas de coisas que eu sozinha tinha equacionado e além disso era um notável trabalho de actores; 3- tendo recebido a notícia da morte do “GRANDE” Pavarotti não me foi possível furtar-me a um reviver de muitas coisas lindas a ele ligadas pela sua espantosa voz e evitar uma ou duas lagrimitas, talvez piegas, talvez! ; 4- dona de casa à maneira de minha Mãe, ainda organizo, com a insubstituível Valentina, umas limpezas anuais à minha casa, às quais eu chamo “grandes manobras” e que me permitem ,em cada ano, verificar de quanta coisa inútil estamos nós rodeados, ao fim de tantos anos de vida nossa e de perda de vidas queridas , das quais as pequenas e grandes inutilidades envolventes acabaram vindo “desaguar” na minha envolvência ,fazendo da minha casa uma enorme acumulação de “teres” dos quais é preciso cuidar ,Deus sabe com quanta canseira...
Como ,com tudo isto, obter o tal abandono radical que certamente faria de mim uma pessoa infinitamente livre?
Então assaltou-me a ideia do blog, com que comecei. Será também para isso um blog...Um pouco como o canavial das canas do conto do Principe com Orelhas de Burro...

3 comentários:

Ricardo Soares disse...

Gostei muito de saber que temos algo em comum que é o gosto pela poesia. Ainda mais esse gosto vindo da nossa terra mãe...muito grato por sua visita e frequentarei seu sítio poético...bj
ricardo

Maria de Lourdes Beja disse...

Ricardo:´já que tão simpáticamente acolheu o meu convite,atrevo-me a propor-lhe que,lendo os meus blogs mais antigos( terá paciência ...e tempo? ), me vá dizendo o que pensa dos poetas que venho transcrevendo quando uma qualquer circunstância vivida me leva até eles.Descobrirá também produção minha,mas dessa fica desde já dispensado de me falar...Espero que me fale dessa cultura brasileira da qual sei pouco mais do que o que nos legou o PADRE ANTÓNIO VIEIRA( exagero,claro )...

jj disse...

Não sei se por ter andado afastada destes lados, se por coisa nenhuma, questionava-me ainda esta manhã sobre isto mesmo.

Como o canavial... Acho que me deu a resposta de que precisava. :)

Jinhos.