18 maio 2012

PORTUGUÊS ,língua vivíssima

Todos  aqueles que, no mínimo, andaram na escola,ouviram alguma vez um qualquer professor dizer que existem línguas mortas, como o latim, e línguas vivas, como o português. Agora imagine-se quantas coisas em redor disto se podem pesquisar, estudar e aprender se por acaso uma pessoa se lembra de querer ser professor de qualquer língua, morta ou viva, tanto faz... Bem, estuda-se muito, mesmo muito . E  logo de princípio é- nos dada a noção de que as línguas vivas são mesmo vivas, isto é, não nasceram de um certo feitio e ficaram  assim tal-qual para todo o sempre.Não. As línguas, como qualquer ser vivo, vão.se desenvolvendo ao acompanharem, como é natural, o desenvolvimento dos seus utentes/ criadores/ herdeiros/ falantes/ escreventes, etc. E assim se vai construindo um património, riqueza que é, se nós atentarmos bem, um verdadeiro retrato em corpo inteiro dos países a que estão indissoluvelmente ligadas.Por isso,quando os tais estudiosos entram pelo campo da HISTÓRIA e depois da FILOSOFIA e ainnda pelos das ARTES  e da LITERATURA, vão-se encontrando com realidades diferentes e novas às quais foram dados e eles têm que dar nomes, (caracteres,letras e sons). E  isso depende muitíssimo da capacidade para uma objectivdade criativa de cada pessoa. Aqui nos aparece a verdadeira  cumplicidade  do ser humano  com o seu património linguístico.Através dos "retratos" que vão sendo transmitidos graças ás Artes, muitíssimo graças à Literatura, conhecemos, reconhecemos, aprendemos quantas"vidas" foram sendo absorvidas, imitadas, adaptadas, repescadas, nos múltiplos caminhos cruzados de umas e outras línguas !Barrocos.Românticos, Medievais, Futuristas,Existencialistas... Quanta inovação, quanto prazer linguístico,quanta vivacidade ! ! ! O dizer tudo isto,em jeito de quase lição, saiu-me um pouco mal, porque eu queria marcar a minha posição de aplauso à inovação(não posso esquecer Mia Couto) que
hoje  me foi pedida pela simples leitura de um jornal diário onde tropecei em duas novidades que não quero perder e faço questão de dar a conhecer a todos os que acaso me leiam aqui e mais a todos quantos possa comunicar tamanho engenho contributivo para a rica flexibilidade do nosso português sem acordos, espontâneo...
Apresento-vos:  ALTAMENTIVEZ    e    SECALHARIDADE  . 

3 comentários:

Dona dos sonhos traiçoeiros. disse...

que linda voce (: AMEI tudo aqui!

Mz disse...

Concordo com o que escreveu sobre a evolução da língua, mas confesso que ainda não aderi ao novo acordo, mas vou lá chegar...

Abraço!

Mz disse...

Concordo com o que escreveu sobre a evolução da língua, mas confesso que ainda não aderi ao novo acordo, mas vou lá chegar...

Abraço!