03 janeiro 2012

Alvorada

Há muitos, muitos anos, escrevia eu um poeminha inspirado no iniciar de um novo ano: do Ano Novo espero as alvoradas de manhãs que até hoje esperei em vão...Pois bem. Fico admirada, mas ainda hoje me apetece dizer a mesma coisa, embora as "alvoradas", as "manhãs" e a minha "espera" tenham agora a circunscrevê-las um muito outro caldo de cultura. Mas cá estou, de frente para o que aí vier. Ouvi há dias alguém dizer que, ao percorrermos um caminho, só lhe conheceremos a beleza se olharmos em frente ou para os planos que o ladeiam, porque se pusermos os olhos só onde pomos os pés, nenhum encanto terá a caminhada -só pedras ou buracos... Que bela perspectiva ! Pese embora todo o medo de cair com que a idade das minhas pernas me assedia constantemente, quero mesmo fazer esse exercício de olhar em frente ; só com essa atitude valerá a pena a VIDA ,agora que aqui cheguei.
Muitas coisas fazem parte dessa prática e creio não me enganar se, amando cada dia mais este país onde nasci e me fiz gente, amar cada dia mais a "gente" que se foi também fazendo "gente" noutros compassos, bem sei, mas foi podendo ser tão "bonita"...Falo de jovens e não jovens, falo dos que foram valentes e dos que sofrem e dos que não sofrem, dos que continuam sendo valentes e sorriem, e cantam e escrevem...
Tenho neste momento cinco jovens autores, já premiados,alguns, a fazerem parte da paisagem do meu caminho a percorrer agora. Vieram como prendas de Natal, que bom !
São algumas das alvoradas de manhãs que sempre continuo esperando...Também neste Novo Ano 2012.

2 comentários:

Manuela Vagem disse...

Que maravilha!

Maria de Lourdes Beja disse...

Olhando em frente, mas mesmo bem de frente, conseguimos também não nos deixarmos iludir com mistificações.Interessante é construirmos a nossa secreta "armadura" de defesa e tê-la sempre pronta a ser usada com critério e sem contaminações...